terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Um doce presente

O Natal aproxima-se e nada como arregaçar mangas e fazer uns presentes doces e giros para partilhar.

Este ano aventurei-me nas compotas, pesquisei receitas, formas fáceis de as confeccionar  e não é que até correu bem!
Já para não falar do aroma que ficou na minha cozinha!

Compota de Maçã:

1kg de maçãs (usei "Golden")
500gr de açúcar
1 pau de canela
1 cravilho
1 limão pequeno

Lavar e descascar as maçãs.
Levar ao lume (brando) juntamente com o açúcar, um pouco de sumo de limão (juntei também a raspa) , a canela e o cravinho.
Ir mexendo até envolver bem o açúcar.
Deixar cozinhar até as maçãs estarem bem moles e o açúcar atingir o "Ponto de estrada", o ponto em que o açúcar atinge os 115ºC  (ou quando colocar um pouco da compota num prato e ao passar o dedo fizer uma espécie de "estrada"). 
Triturar com a varinha mágica e guardar em frascos. 
Super fácil! 

Dia 5


domingo, 3 de dezembro de 2017

O melhor da vida... O nosso calendário de Natal

A época mais esperada do ano está à porta!

Este ano, o nosso calendário de Natal é ainda mais especial pois, ao contrário de outros que já tivemos, este não traz chocolates, traz sim muita coisa boa para se fazer...
O modelo, inspirado neste e neste, não podia ter ficado mais giro!
Simples, ecológico e super rápido de fazer...
Como o fiz? Fácil!
O pai apanhou um galho e uns "verdes" no nosso quintal e eu, recortei umas estrelas de cartolina onde escrevi os números de 1 a 24.


No meu bloco de notas, registei as 24 "actividades"que vamos realizar, mas como são surpresa, só as revelarei a cada dia...
São coisas bem simples que de certeza irão promover bons momentos de partilha.
A acompanhar a contagem e para tornar mais doces os dias, umas bolachas caseiras (ok, não há chocolates no calendário,  mas tem de haver um mimo doce, afinal é Natal!).

Dia 3


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mãe de dois #24

Na hora de se vestir para ir para a escola...

G.: - Não mãe eu não quero essa blusa!
Eu: - Então?
G: - Quero esta!!!
EU: - Gostas mais dessa, é?
G.:- Não, mas com esta fico mais giro para impressionar as minhas "babies".

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Mãe de dois #23

Enquanto lancha eu pergunto:

Eu: - G. Queres mais alguma coisa?
G.: - Não mãe, eu só te quero a ti.
Eu: - Oh meu querido!... Nem sabes o quanto adoro quando me dizes essas coisas!
G: - Isto é amor mãe! ...

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Mãe de dois #22

Após um disparate dele e como resposta um dos meus famosos gritos, eis que caio em mim e lhe digo;

Eu: - Desculpa ter gritado contigo G. Fiquei aborrecida com o que fizeste, mas não deveria ter reagido assim. Desculpa.
G: - Está bem mãe... Eu desculpo-te e tu também me desculpas?
Eu: - Sim. Desculpo sim meu querido.
G: - Mas sabes mãe? Às vezes fazes o meu coração ficar triste, mas não é triste de zangado, é triste de chorar.
... 

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Novembro...

Já Novembro? Ainda ontem sonhava com a chegada do Verão!

Este ano está a passar de fugida ou é só impressão minha?
Quer dizer... Não é nada que eu já não esteja habituada, pois desde que tive os filhos a vida tornou-se mais intensa, mais vivida e isso é mais que suficiente para não dar conta dos dias e ficar pasma com a rapidez do tempo.
Se bem que o calor também tem dado uma ajuda a dissimular a passagem do tempo...
Chegado Novembro, continuamos a vestir manga curta, por vezes ainda uso sandálias e são mais os dias em que os miúdos vão de calções p'ra escola que com outra coisa. 
O sol brilha intensamente por aqui, se não fosse o anoitecer mais cedo e as árvores semi-nuas, diria que estávamos em plena Primavera.
Novembro chegou hoje, com cheiro de Outono e trouxe consigo a sensação de uma esperança renovada.
Todos os meses são como um (re)começo, uma página virada, uns com mais por contar, outros com menos, mas sempre com a esperança inabalável de uma nova oportunidade.
Algo me diz que Novembro vai ser bom, que me vai trazer algo de novo, algo que me fará feliz. 
Não quero criar expectativas, pois tal como dizem por ai "mais vale criar unicórnios que expectativas", mas sinto-me confiante, estou preparada para encarar este novo mês de peito aberto e seja o que for que ai venha, que venha por bem.
Feliz Novembro!


Ainda do Halloween...

Embora sem grandes fundamentalismos, não sou muito apologista de determinadas costumes ou estereótipos (sejam eles adoptados de outras culturas ou mesmo nossos). 

Em relação ao famoso Halloween (Dia das Bruxas) tenho algumas reservas, mas uma coisa é certa, veio para ficar e, quer eu queira quer não, os meus filhos adoram.
Não acho piada ao Carnaval e deixo passar ao lado, mas quanto ao Halloween a coisa complica-se um bocadinho, não sei se por serem rapazes e adorarem toda esta envolvência do "terror", se por outra razão qualquer, mas eles vibram com isto.
Este ano, na escola do mais novo, o festejo do Halloween não foi permitido. Desconheço o motivo ao certo pois nada me foi dito, apenas tomei conhecimento quando cheguei a casa e pela boca do meu filho (pela boca e pelos rios de lágrimas), chorou tanto, tanto! 
Ao ver tamanha tristeza, não fui capaz de deixar passar e tive de deitar os meus preconceitos p'ra trás das costas e abraçar esta causa.
Prometi-lhe que festejaríamos o Halloween em casa e assim foi...
Fiz umas bolachas, comprei uns rebuçados (os tais "doces a sério") e com uma cartolina e uns sacos pretos decorei a casa com teias e morcegos. O pai tratou de dar forma a uma pequena abóbora e pronto, estava preparada a festa!
Ao cair da noite, pintei-lhes umas cicatrizes e sangue no rosto e lá foram todos felizes brincar ao famoso "Doces ou travessuras" com os vizinhos. 
Sem grande aparato e com tão pouco, foram tão felizes... 

Independentemente do eu que possa achar destas tradições , deixá-los brincar e serem felizes é o que verdadeiramente me importa...




Capítulo 11 de 12


terça-feira, 31 de outubro de 2017

Mãe de dois #21

Feliz e cheia de entusiasmo...

Eu: . Meninos! Fiz umas bolachinhas para os "doces e travessuras"...
J: - O queeeê???
Eu: - Sim...Fiz umas bolachinhas caseiras, não é uma boa ideia?
J: - Achas mãe? Os miúdos querem é doces.
      DOCES MÃE! DOCES A SÉRIO!!!


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Mãe de dois #20

No regresso a casa, depois de mais um dia de aulas...

G.: -Hoje tive ficha de avaliação!
Eu: -E que tal correu?
G: -Bem! Tive de fazer um texto.
Eu: -Sim? E qual era o tema?
G: -Hummm... Era sobre as coisas importantes da família.
Eu: -E tu gostaste de escrever sobre a família?
G: -Sim...

(um minutinho depois...)

G: -Sabes mãe... Acho que a nossa família era perfeita para uma série de desenhos animados.
Eu: -(Whaaaat?) Porquê?
G: -Olha, porque somos todos bué da loucos!

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

A vida aos quadrados - Luciane Valles

"Conheço o trabalho da Lu há já alguns anos, desde o tempo em que ela e a Daniela partilhavam o "Rebuçado ácido" ."

Desde logo, fiquei fã do modo simples e tão natural com que a Luciane relatava os seus dias, sobretudo através das suas fotos, o que fez de mim uma leitora assídua e seguidora do seu percurso até aos dias de hoje.
A Luciane é brasileira, mudou-se para Portugal há 13 anos e actualmente vive em Lisboa com o seu marido e 3 filhos lindos!
Fotografar a sua família é uma paixão e segundo ela, o seu "maior motor criativo".
Há uns meses deu o salto e começou a fotografar outras famílias além da sua e fá-lo com uma enorme espontaneidade e um estilo muito genuíno.
Para a Lu, o maior objectivo das suas sessões é "contar uma história que reflita o estilo, a personalidade e as vivências e rotinas e de cada família". 

Ao longo do tempo, tenho vindo a apaixonar-me cada vez mais pelo trabalho da Luciane.
Reconheço as suas fotos facilmente e admiro imenso o seu estilo, tão particular. 
Adoro o contraste de luz e de sombras que cria nas suas imagens e a mensagem tão real que transmite, é delicioso de se ver.

Podem conhecer o seu excelente trabalho aqui e aqui e acredito que não ficarão indiferentes...



Espaços lindos que me inspiram...


quinta-feira, 19 de outubro de 2017

292 de 365 - E quando a vida te prega um susto...

"Sabes, quando tens pela primeira vez a certeza daquilo que pretendes para ti, mas andas às voltas, às voltas, sem saber por onde começar?"

E eis o dia em que a vida te prega um susto e te mostra aquilo que há tanto procuras. 
Incrédula, olhas para os lados e tentas encontrar uma razão para voltar atrás.
Beliscas-te e perguntas uma e outra vez, será verdade, será mesmo isto? 
No teu íntimo, naquilo que és, sabes que sim, sabes que é esse o caminho, mas tens medo. 
Medo, porque não sabes por onde começar. 
Medo, porque estás consciente que terás de dar valentes passos atrás. 
Medo, porque as amarras que te prendem parecem não esticar mais. 
A vida prega-te um susto, aponta-te o caminho certo e desta vez tu não queres desistir, não podes desistir. Sentes que vais ter de te soltar, doa a quem doer, pois agora és só tu.
Ganhas fôlego, fechas os olhos ao teu mundo e atiras-te ao abismo da incerteza. 
A vida prega-te um susto e tu, tu olhas em frente e voas, voas bem alto!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

O melhor da vida... fazer pão.

"Nada melhor do que um pãozinho acabado de sair do forno..."

Ontem aventurei-me e experimentei fazer uns pequenos pães para o lanche dos miúdos.
A receita "roubei-a" daqui. É simples, rápida e com um resultado delicioso... A combinação perfeita!
Os miúdos acharam-nos um pouco insossos (os malandros), mas já era de esperar! Segundo eles os do supermercado são bem mais doces e estes não...
Na verdade, eu gostei imenso e vou continuar a fazê-los pois são perfeitos para lanches e piqueniques e o melhor de tudo, são feitos por mim!



terça-feira, 17 de outubro de 2017

290 de 365 - Tão longe, mas sinto-me tão perto...

"Estou tão longe de saber como foi, como é, como será daqui para a frente, mas sinto-me tão perto... "

Longe de saber como se sentem, como sofrem, longe de viver o horror da perda.
Mas mesmo longe, sinto-me perto, tão perto. 
É impossível ficar indiferente, seguir caminho como se nada fosse, é impensável não sentir um nó no estômago, uma tristeza profunda com o que se está a passar.
Estou triste, revoltada, sinto-me impotente, sinto-me mal.
Sinto um misto de orgulho e de vergonha deste meu país.
Orgulho pela coragem de uns, que munidos apenas do instinto de sobrevivência, lutam pelas suas vidas.
Orgulho pela coragem e força de outros, que trabalham por amor ao próximo, arriscando a sua vida para salvar vidas.
Sinto vergonha dos nossos políticos, que há décadas fecham os olhos a este flagelo.
Vergonha dos homens e mulheres que fazem da desgraça alheia o mote para críticas a uns e outros.
Vergonha deste "jogo do empurra", onde os peões somos nós, os cidadãos, que nas horas más nos deparamos com a dura realidade de abandono, desprotegidos por um Estado omisso e incompetente.
É um misto de sentimentos, é o reabrir de uma ferida que ainda está tão viva.
Dezenas de famílias em luto, dezenas de vidas por viver, um ecossistema devastado, um país em cinzas.
Estou tão longe de saber como foi, como é, como será daqui para a frente, mas estou tão perto, sinto-me tão perto...
Perto de coração, de lamento e de profundo pesar.


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Mãe de dois #19

Enquanto faz as somas que trouxe como trabalho de casa...

G: - Mãeee
Eu. - Siiiim?
G: - Gostavas de ser rica?
Eu: - Eu gosto de ser como sou, mas não me importava de ter mais algum dinheirinho.
G: - Pois!...E não gostavas de ter alguém para te ajudar no trabalho para poderes descansar?
Eu: - Sim, isso sim!
G: - Vês! Para isso tinhas de ser rica, para pagar a essa pessoa!
Eu. - Pois... Acho que tens razão...
G: - Bem... Finalmente admites que eu tenho sempre razão!!!

Faço minhas estas palavras...


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Mãe de dois #18

Numa manhã que não começou do melhor modo...

Eu: ... blá, blá, blá, mas a minha boa disposição acabou!
G: - Como assim mãe?
Eu: - Quer dizer que eu estava muito bem disposta, mas depois de toda esta confusão fiquei aborrecida!
                                           (Passados uns minutos...)

G: - Hummm! Quer dizer que o teu "bom" foi pelo cano abaixo e o teu mau-humor está no máximo?

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

O melhor da vida - Improvisar

Um feriado em dia útil é um recarregar de energia para os miúdos, é um "e agora quê?" para mim.

Sozinha com os dois prevejo um dia longo, um dia gigante pela frente...
Ficar por casa, num dia lindo de sol é quase um pecado.
Pensar rápido é imperativo! Tenho de inventar algo, mais que não seja um momento simples, diferente, algo que os liberte da rotina e os faça felizes.

E assim foi... Arrumei o mais depressa que consegui o meu trabalho, fechei os olhos aos afazeres domésticos e deitei mãos à obra a um lanche rápido e simples.
A ideia?... Levá-los ao parque de lazer da nossa cidade, deixá-los brincar até cansar e terminar o dia com um jantar em modo piquenique.
Brincaram juntos, felizes e sem pressas. 
Correram, jogaram à bola e, sem dramas, chegámos ao final da tarde, a um por do sol magnífico, perfeito para picnicar as nossas sandes e fruta que levei na mochila.
Sem grandes complicações, sem nenhuma expectativa, os planos que fiz souberam-me tão bem!
O pânico do "E agora quê?" deu lugar ao "Vamos a isso, vai ser giro!" 
E foi!
Bem, quer dizer...Teria sido ainda mais se os mosquitos não tivessem decidido fazer-nos companhia na hora de comer...